28 de jul de 2011

O Senhor das Moscas: crianças são inocentes?



por Luiz Santiago


     Adaptação da obra de William Golding, esse filme de Peter Brook é ao mesmo tempo impressionante e assustador. A história de um grupo de crianças que sofrem um acidente de avião e ficam presas numa ilha deserta, é trabalhada de maneira interessante pelo diretor, e pode trazer uma série de reflexões sobre poder, humanidade, maldade, etc.

     No entanto, O Senhor das Moscas (1963)* é um filme inconstante no ritmo e no roteiro. A primeira parte da película é exaustivamente contemplativa, investiga cada uma das crianças, e também as ações do grupo, uma atitude seguida pela montagem, que opta pelo paralelismo narrativo a fim de dar uma visão geral de ambos os grupos em diversos pontos da ilha. Num primeiro momento, o ritmo é aceito porque não conhecemos a história. Todavia, quando ela se estrutura, não há motivos para detalhar as sequências, algo que será abandonado apenas nos takes finais do filme.

     O suspense e a ação, estão postos em O Senhor das Moscas a partir da mudança extrema de comportamento das crianças. Embora algumas tendências ético-morais fiquem claras desde o momento em que aparecem, os dois grupos de garotos possuem o verniz civilizacional, e seguem as regras da democracia para gerir o grupo e a sua sobrevivência na ilha deserta. Mas quando crescem os interesses pessoais (a vontade de comandar um grupo inteiro), a guerra é declarada, e as crianças aparentemente inocentes que vimos ao início do filme, mostram que não são tão inocentes assim. Mesmo os garotos que não são de má índole, adequam-se a uma realidade imposta pelo seu algoz, para não sofrer maiores danos - fingem aceitar uma situação, mas preparam, em silêncio, um motim.

     Para quem conhece os filmes de Michael Haneke (só para citar um exemplo), a inocência infantil já é algo completamente ignorado por ele. Diversas teorias e diversas ciências humanas e biológicas podem ser aludidas aqui, e se bem pontuado, O Senhor das Moscas é um núcleo perfeito para debatermos sobre o universo dissimulado da infância. Professores com um certo tempo de experiência em sala de aula haverão de convir comigo que a cada ano que passa, crianças cada vez menos "bobinhas" tem chegado às salas de aula. 


     Apesar do problema dos ritmos (externo – montagem – e interno – roteiro), O Senhor das Moscas certamente é uma ótima reflexão sobre o caráter da infância, sua dissimulação e obstinação. Vale a pena suportar a primeira parte do filme em favor do final estonteante, este sim, composto de planos, ângulos e edição perfeitos, muito bem ajustados no tempo fílmico e de uma forma imagética e dramática exemplares. Embora boa parte das atuações não sejam perfeitas, Peter Brook consegue arrancar bons momentos de todo o elenco. A fotografia trabalha muito com contrastes, principalmente nas tomadas de conjunto dos “selvagens”, com as pinturas na pele. A repetição dos temas musicais foi um bom acerto para o filme, porque dá diversos significados ao tema, e remete-nos à sensação de estarmos preso, andando em círculos, sem esperança – ainda mais em se tratando de um filme cujo tema é tão macabro quanto a trilha sonora pode sugerir. Uma obra que nos faz refletir sobre uma série de coisas, muitas delas, lamentavelmente presentes em nosso mundo atual.


* Há uma versão estadunidense desse filme, dirigida por Harry Hook em 1990.


O SENHOR DAS MOSCAS (The Lord of the Flies, UK, 1963).
Direção: Peter Brook
Elenco: James Aubrey, Tom Chapin, Hugh Edwards. Roger Elwin, Tom Gaman, Roger Allan, David Brunjes, Peter Davy, Kent Fletcher, Nicholas Hammond, Christopher Harris.



FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.


Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger