26 de jun de 2011

Aniki Bóbó (1942)



por Luiz Santiago


     Dirigir crianças não é uma tarefa fácil. Raros os diretores que conseguiram trabalhar bem com um elenco infantil, e para mim, os três maiores nesse segmento são François Truffaut, Abbas Kiarostami e Michael Haneke. O universo infantil, quando trazido para o cinema, raramente se põe como motivo principal, obedecendo à “linha adulta” da história. Quando a proposta é filmar crianças, o trabalho do realizador se torna mais complexo, todavia, o produto alcança um valor especial. Filmes tão diversos como Um Dia, Um Gato (1963), A Fantástica Fábrica de Chocolate (1971 e 2005) e O Pequeno Nicolau (2009) trazem seu encanto particular e atingem o espectador de diferentes maneiras.

     Há de se convir, no entanto, que poucas obras fazem uso da infância para guiar o roteiro. Nos filmes de horror, por exemplo, o motivo não é a criança e sim uma inadequação espiritual (exemplo máximo encontrado em A Colheita Maldita); já em obras um pouco mais racionais como O Labirinto do Fauno (2006) e O Orfanato (2007), a criança ou o seu mundo é o ponto de partida para o desenvolvimento da história. Nesses casos, espelhar os problemas adultos é a via mais percorrida, e as crianças não são tratadas como livres de problemas, com aura santificada ou inocência incontestável, tal qual nos exemplos por excelência: Zero de Comportamento (1933), Os Incompreendidos (1959) e A Fita Branca (2009).

     No primeiro longa-metragem de Manoel de Oliveira, Aniki Bóbó (1942), percebemos que a infância não está posta como enfeite ou um adendo ao enredo, mas é o próprio tema central do filme. O diretor português dá um salto na carreira a partir de então. Primeiro, porque passa dos documentários de curta-metragem para um longa, depois, porque a película, baseada no conto Meninos Milionários de Rodrigues de Freitas, é dotada de um realismo social e um humanismo crítico impressionantes. Embora o filme não tenha feito sucesso à época de seu lançamento, é considerado hoje um dos precursores do neorrealismo, qualidade inicialmente reconhecida pelo crítico francês Georges Sadoul.

     Aniki Bóbó se passa nos bairros pobres da cidade do Porto. A autocrítica tão comum ao cinema português, encontra, nesse primeiro loga de Oliveira, uma forte expressão, algo que certamente desagradaria a censura salazarista: depois de Aniki Bóbó, o diretor só voltaria a trabalhar em outro longa em 1963, quando retorna de um longo silêncio forçado, com Ato da Primavera. Mas o que há demais em Aniki Bóbó? Em linhas gerais, é um simples. De forma lírica e bem humorada, Oliveira recria a história que se apresenta nos créditos de abertura (num jump-cut narrativo) , e para a qual esperamos voltar a todo momento. Sem pressa, mas de maneira muito ágil, os eventos que envolvem um grupo de crianças portenhas, suas paixões, anseios, preocupações e atitudes são narrados de forma a nos fazer entender o isolamento de cada uma delas em seu universo particular (uma metáfora social). Os adultos aparecem de maneira autoritária, e apenas no final haverá uma mudança nessa forma de apresentação, a única atitude errônea tomada pelo diretor, porque além de repentina, não se explica, e a muito custo, de justifica.


     O roteiro de Aniki Bóbó tem um ritmo dramático tão bom, que é difícil acreditar numa adaptação por mais de uma pessoa (que além da fonte literária, trabalhou com os poemas de Alberto Serpa). A história já se constitui madura desde o início, e chega ao ápice do pessimismo em seus momentos finais, lembrando-nos muito o destino do garoto Edmund em Alemanha, Ano Zero (Rossellini, 1947). Também na forma, o diretor português acerta a mão, quando mostra as alucinações do jovem Carlitos. A punição divina e terra saltam da consciência da criança, perturbando-lhe o sono por causa de uma boneca roubada. A pobreza, a honestidade e a delinquência são temas transversais que acompanham todo o enredo.

     A fotografia quase naturalista do filme e a sua enorme quantidade de externas, dão-lhe um ar de liberdade. Oliveira já explora aqui as tomadas mais longas, descritivas, quase etnográficas, como fizera em seus documentários anteriores, especialmente em Douro, Faina Fluvial (1931) e Famalicão (1941). Ao propor trabalhar o universo infantil, Manoel de Oliveira traz problemas reais de qualquer criança pobre de uma cidade litorânea em plena Segunda Guerra Mundial. Os conflitos bélicos continentais estão ausentes, mas o funcionamento do espaço em redor indicam um crise, crise esta que se impregna nas personagens e escreve-lhe os destinos. A guinada final da história nem de perto nos decepciona. O filme ganha a partir de então um novo vigor, a história parece renovar-se a cada acontecimento paralelo, e caminha para o seu fim imprevisível.

     Aniki Bóbó é um filme infantil, mas sobre crianças de verdade, não sobre fantoches-filhotes à la Disney, com problemas-padrão, dificuldades artificiais e resoluções fáceis, moralmente massacrantes e direitistas. O roteiro dos contos fantásticos passa longe da obra de Oliveira. O que temos em Aniki Bóbó é uma crônica social um pouco contida, é verdade, mas muito mais próxima de Os Esquecidos do que de Peter Pan.


ANIKI BÓBÓ (Portugal, 1942)
Direção: Manoel de Oliveira
Elenco: Américo Botelho, Horácio Silva, Feliciano David, Nascimento Fernandes, Fernanda Matos, Rafael Mota, Armando Pedro, Antonio Melo Pereira, Antonio Santos, Vital dos Santos


FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger