17 de jul de 2010

Um Barco para a Índia


por Luiz Santiago

   Se Um Barco Para a Índia (1947), de Ingmar Bergman, fosse um filme mudo, os versos de Dois Fragmentos de Odes, de Álvaro de Campos, poderiam compor seus intertítulos de abertura, pois a obra de Bergman é a transformação em imagem do que escreveu o poeta português:


[…]

Vem lá do fundo
Do horizonte lívido,
Vem e arranca-me
Do solo de angústia e de inutilidade
Onde vicejo.
Apanha-me do meu solo, malmequer esquecido,
Folha a folha lê em mim não sei que sina
[…]


Outra folha minha atira ao Ocidente,
Onde arde tudo o que talvez seja o Futuro,
Que eu sem conhecer adoro;
E a outra, as outras, o resto de mim
Atira ao Oriente
[…]


   Um Barco Para a Índia é o terceiro filme do cineasta sueco, que o adaptou da peça homônima de Martin Söderhjelm.


   A história central tem o trio Alexander, Johannes (pai e filho), e Sally, uma cantora de cabaré. Cercam-nos os outros marinheiros do barco de salvamento e a subserviente esposa do capitão Alexander e mãe do Imediato Johannes. A terrível relação entre pai e filho, já contida na peça, é intensificada no roteiro de Bergman, a ponto de o pai tentar matar o filho asfixiado, em um mergulho. A luta entre as gerações ganha uma outra dimensão após a chegada de Sally, que praticamente “salva” Johannes do julgo paterno, ao passo que os dois jovens começam a se apaixonar. Conforme o filho ganha coragem para desafiar o pai e tomar as suas próprias decisões, o velho genitor tem os dias de sua visão contados: em um ano, ele estará completamente cego. Um amargo desespero toma conta de Alexander, e seu crescente ódio pelo filho, é na verdade o ódio pela juventude, pelo vigor que pode proporcionar experiências diversas, especialmente para os marinheiros. Pouco tempo depois de conhecer Sally, Alexander lhe conta, desalentado, sua enfermidade, e então conclui:

A pior coisa não é ficar cego. […] É nunca ter visto nada.

   Na sequência de abertura do filme vemos um navio solitário no mar. O céu anuncia uma tempestade noturna. Em uma elipse de dias, vemos Johannes descer fardado pela escada de um navio, e entrar numa pequena cidade portuária. Ele procura por Sally, e quando a encontra, fica espantado com o seu estado decadente. Em uma outra elipse, vemos Johannes numa praia da mesma cidade. Ele caminha a esmo, e se deita na areia rodeada por uma baixa vegetação costeira quando se obriga a lembrar o que aconteceu antes, o que o levou até ali. Esse flashback será o corpo do filme.

   A primeira vez que Johannes aparece em seu flashback, é meio escondido, ouvindo os outros marinheiros falarem mal de seu pai e de si. É visível que a personagem tem medo, e para confirmar esse temor que paira (fortalecido pela música dramática de Erland von Kock), Bergman faz inúmeras tomadas “através de” alguma coisa, como se a câmera precisasse se esconder para captar o que se passa. Além do medo, Johannes tem um forte complexo de inferioridade por ser corcunda. Em um momento de explosão emocional e estranhamente libidinosa, bêbado, ele obriga Sally a dizer que ele é uma aberração. Descobrimos que é por esse motivo que o pai o menospreza e o odeia. A mãe também manisfesta o seu sentimento de rancor, relembrando que até o nascimento de Johannes, ela tinha uma vida feliz ao lado de Alexander.


   Bergman estrutura a forma do filme em dois espaços específicos: o externo sempre alegre – o espaço de fuga; e o interno claustrofóbico do barco onde moram os protagonistas – palco das coisas ruins. Nesses dois espaços, a mise-en-scène tem o ódio como motor-guia, e todo o filme é o resultado da construção, do perdão ou da consequência do ódio, plasmados como que por olhos marejados, pela bela fotografia de Göran Strindberg (de Música na Noite e Prisão, ambos de 1948).

   Em Um Barco Para a Índia, encontramos três grandes motivos recorrentes na futura filmografia do diretor: o teatro de variedades (apresentação de números musicais no cabaré e apresentação de fantoches); a praia e seus arredores, filmados em parte com a câmera baixa, à Ozu; e cenas de “surtos” das personagens. As tomadas da praia possuem uma beleza idílica, e são fotografadas com uma precisão quase irreal, com uma iluminação incrível e muito bem modulada em suas nuances. Os ousados ângulos empregados desenham um filme arquitetônico, e há momentos em que a montagem de Tage Holmberg (que volta a trabalhar com Bergman em Mônica e o Desejo, 1953) constrói, com a forma interna, uma prisão em torno das personagens. O uso e a construção imagética de uma arquitetura ganha então significado simbólico, narrativo e metafórico. As duas sequências no moinho são de uma poesia tremenda, e triste, vale dizer, e revelam tanto uma equipe muito preparada, quanto um jovem diretor extremamente escrupuloso.

   Em meio a tanta adversidade, Johannes consegue se sagrar marinheiro e endireitar a postura. O re-encontro com Sally não era o que ele esperava, mas assim como ela teve um papel importante para sua libertação, ele se sente no dever de insistir em levá-la em sua nova viagem, tirar a mulher que ele ama da depressão causada pelo amor reprimido e impossível, até então.


   Na sequência final, vemos apenas as gaivotas no céu, e o navio ganhando velocidade. O lugar para onde o casal parte conserva não só a felicidade que tanto buscam, mas uma cenário-fuga distante, quando os lugares conhecidos por eles não satisfaziam mais. O Oriente é um mundo, o símbolo do futuro imaginado feliz. Para o casal, se torna real o verso do vate aqui já citado: “A lua começa a ser real”. O ódio se desintegra e some, o casal parte feliz, mas o espectador fica com uma incômoda incerteza ao ver se afastar aquele barco para a Índia.


UM BARCO PARA A ÍNDIA (Skepp Till India Land, Suécia, 1947).
Direção: Ingmar Bergman
Elenco: Holger Löwenadler, Anna Lindahl, Birger Malmsten, Gertrud Fridh, Naemi Briese, Hjördis Petterson, Lasse Krantz, Jan Molander, Erik Hell, Ake Fridell. 


FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger