15 de set de 2011

Esses Amores



OS AMORES DE LELOUCH


por Adriano de Oliveira


- Quem você acha que ganhará esta guerra [II Guerra Mundial]?
- O amor, com certeza.”
Diálogo extraído de Esses Amores (2010)


     Claude Lelouch não muda. Está sempre a colocar em giro seu carrossel particular de emoções, a cantar (literalmente) o amor, a desvelar seus painéis, a impor uma particular cromática de ver o mundo sob um filtro enamorado. Alegria para os fãs, munição para os detratores – cinema e emoção não se dissociam nem do lado de cá das câmeras.

     Em seu novo filme que aporta nos cinemas do Brasil, Esses Amores, o cineasta francês mais antinouvellevaguista de sua geração monta um amplo e longo – a narrativa transpassa décadas - painel de personagens que se cruzam. O tema central? Ora, o amor. O amor de uma mulher que ama desenfreada e libertariamente, que cura a dor de uma paixão dilacerada com outra a substituir aquela. O amor que gera o riso, que cria a tragédia, que é gênesis, motivo e apocalipse de um universo a gravitar em torno dele. Ilva Lemoine (Audrey Dana, pelo visto a nova atriz-fetiche de Lelouch, já em terceira aparição nas obras dele) é essa mulher: enteada de um membro da Resistência francesa na II Grande Guerra (duro período da França de Vichy, “comandada” por Pétain), lanterninha de um cinema, tachada de colaboracionismo para com o inimigo alemão, envolvida emocionalmente com dois soldados americanos, casada com um milionário, acusada de assassinato. Ufa! Duas horas seria pouco para testemunhar esse torvelinho dramático que percorre diversos gêneros; entanto, Lelouch costura sua trama com objetividade e chega a um bom resultado de peculiar modo, abrindo mão de quaisquer medos do over e do obsoleto – afinal, Esses Amores se mostra um filme à moda antiga e com notável senso de espetáculo cinematográfico, no que é ajudado pela fotografia caprichada e de múltiplas paletas conforme a conveniência, bem como por uma montagem esperta, acurada direção de arte e produção vultosa.

     O longa dialoga em sua dinâmica de modo mais direto com o igualmente lelouchiano Retratos da Vida, porém na verdade ele como um todo representa uma síntese de toda a extensa carreira do diretor, a ponto desse sumário se dar de maneira ainda mais palpável e de forma despudoradamente autorreverente em uma sequência próxima ao final, na qual Lelouch desfila cenas de seus próprios filmes. Aliás, temos aqui a obra mais autobiográfica dele, embebida de indiscutível caráter lírico: é um tributo de afeição do realizador à sua arte e por isso também inundada de metalinguagem.


     Além de expressar autorreferência, o cineasta despreocupadamente vai empilhando outras alusões de seu gosto particular: se O Anjo AzulO PianistaCinema Paradiso...E o Vento Levou, filmes de Carné e de Hitchcock figuram mais evidentes em cena, pululam também outras, menos conscientes, mas que poderíamos divertida e descompromissadamente supor paralelos das mesmas com passagens de Esses Amores, como o desembarque de soldados na Normandia de O Resgate do Soldado Ryan, a retaliação nazista a inocentes civis de Massacre em Roma ou mesmo a desafiadora execução d’A Marselhesa “na cara do inimigo” que evoca Casablanca.

     Ao final do filme, tudo acaba em música, como é, ou deveria ser, a vida – para o diretor, um imenso musical. Assim como ela oscila entre a dor e a felicidade, também flui aos ciclos, se permitindo rimas, tal como afirma o cineasta no fecho da obra, o qual se passa na contemporaneidade. Os versos do poema da vida, escrito pelo homem, rimado pelo destino, embalado pelo amor: eis o objeto da imagética declamação feita pelo bardo Lelouch.


Texto originalmente publicado no Cine Revista.


ESSES AMORES (Ces Amours-là, França, 2010)
Direção: Claude Lelouch.
Elenco principal: Audrey Dana, Laurent Couson, Raphaël, Gilles Lemaire, Jacky Ido, Samuel Labarthe, Salomé Lelouch, Judith Magre, Anouk Aimée.


FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger