31 de ago de 2011

XXY




por Luiz Santiago


      Não é segredo para ninguém que o cinema argentino já foi maior em produção e em qualidade que o cinema brasileiro. Embora hoje essa realidade não exista mais, pode-se afirmar que em certos aspectos, o cinema argentino nos ultrapassa, e um desses exemplos encontramos em  XXY, uma admirável película de Lucía Puenzo sobre a (homo) sexualidade.

     O filme aborda uma questão difícil e polêmica em todos os sentidos, e consegue dar conta de tudo, sem ser demasiado ou minimizar a trama em favor deste ou daquele personagem. O desejo e os sentimentos trabalhados no roteiro, estão juntos, mas aparecem na tela da forma mais natural possível: não demonstrados, escondidos, forçados, em explosão. 

     O filme é seco, objetivo, não sobram tempos mortos ou cenas-encaixe para que a trama fique mais palatável. Em alguns momentos o constrangimento se sobressai. Somos inseridos em um mundo pouco explorado e não sabemos como reagir a respeito. 

     A protagonista do filme, vivida por Inés Efron, é de uma complexidade incrível. No melhor estilo “não expressão”, a garota sustenta sua personagem com uma força e um indiferença impressionantes. 

     Tudo em XXY dá certo. O roteiro é muito bem escrito e finalizado, a direção de Lucía Puenzo é precisa, e a fotografia escura, com predominância dos tons de cinza e azul, dá um ar lúgubre e angustiante ao filme. Um filme sensível e duro. Embora tenha sido coproduzido pela Espanha e pela França, XXY permanece como um dos grandes e admiráveis trabalhos do cinema argentino.


XXY (Argentina, Espanha, França, 2007)
Direção: Lucía Puenzo
Elenco: Ricardo Darín, Valeria Bertuccelli, Germán Palacios, Carolina Pelleritti, Martín Piroyanski, Inés Efron, Guillermo Agelelli, César Troncoso, Jean Pierre Reguerraz, Ailín Salas



FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.
  

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger