19 de ago de 2011

The Meatrix: cinema e alimentação sustentável



por Luiz Santiago


     A alimentação saudável é, sem dúvida, uma das maiores preocupações da saúde pública em nosso século. O crescimento da obesidade no mundo, as campanhas de apoio ao consumo de alimentos orgânicos, a explosão vegetariana – dentre outras militâncias na área – fazem parte do nosso dia a dia através de diferentes mídias, e nos indicam a intensidade desse fenômeno. O cinema tem abordado com muita ênfase a questão da alimentação hoje, em documentários tão díspares como A Corporação (2003) e Food, Inc. (2008). Algumas empresas, ONGs e Instituições tem usado do audiovisual para produzirem a sua versão dos fatos e dar ao espectador uma visão parcial de suas atividades sustentáveis em relação aos alimentos.

     Em 2003, a Free Range Studios e a Sustainable Table produziram um curta metragem de animação, em tom documental, que nos apresenta a disseminação das corporações alimentícias. Essas entidades são as maiores responsáveis pelo desaparecimento da fazenda familiar (e por consequência, da produção sustentável), com o objetivo de aumentar seus lucros através de massivas produções de carne, leite, ovos, dentre outros alimentos.

     O diretor Louis Fox, reconhecido por assinar diversos projetos cinematográficos / documentais sobre o meio ambiente ou sua destruição (como A História da Água Engarrafada e A História das “Emissões de Carbono”), faz uma sátira do filme Matrix, contando a história de Leo, um porco que é “libertado da ilusão” pelo touro Moopheus, que percebe ser parte de uma fazenda industrial. O curta é um projeto da Free Range Studios com o Centro de Pesquisa e Ação Global para o Meio Ambiente (CPAGE), e tem como objetivo conscientizar a população sobre esse processo danoso que é a captação industrial dos alimentos que consumimos.

     O tom usado em The Meatrix, e em sua continuação, The Meatrix II: Revolting, pode parecer um pouco ingênuo para um espectador brasileiro. O incentivo do consumo de carne produzida apenas por fazendeiros e não por grandes indústrias parece ridículo para quem mora em uma cidade como São Paulo, por exemplo. A dificuldade de acesso a esse tipo de mercadoria “produzida corretamente” faz com que parte dos espectadores taxem o filme de “impossível”, e assim limite o que ele nos traz de bom. De fato, o discurso parece afastado de nossa realidade. Mas há que se destacar a outra parte do discurso, a conscientização, e também o fato de que em nenhum momento, há a tentativa de conversão do espectador à causa vegetariana ou algo do tipo, o que já confere ao curta muita credibilidade. No site indicado ao final da obra, há uma lista de sugestões sobre o que pode ser feito para diminuir essa produção industrial doentia que levamos à mesa, e dentre essas sugestões, CONSUMIR MENOS CARNE me parece algo perfeitamente possível e saudável para cada um de nós.


     Embora o curta refira-se exclusivamente ao consumo carne, podemos estender a sua discussão para a agricultura orgânica, que na maior parte das vezes, esbarra no preço alto, nesse caso, o empecilho para o consumo. Mas apesar disso, é possível encontrar comunidades em diversos Estados do Brasil, cultivando e distribuindo em micro escala esses alimentos de produção ecologicamente correta (sem uso de agrotóxicos), economicamente viáveis, socialmente justos, e culturalmente aceitos, como prevê a cartilha das atividades sustentáveis.

     A discussão certamente pode alcançar níveis bem maiores e mais profundos do que os aqui dispostos. Como filmes, The Meatrix e sua continuação, são interessantes. O gráfico é simples, o uso de cores é ótimo para indicar emoções e tonalizar ambientes dramáticos, e ainda destacam-se a boa edição de som e roteiro. É claro que não foram tomados aqui altos parâmetros cinematográficos, apenas a linguagem geral do cinema, aplicada à realidade propagandista e conscientizadora do projeto.

     The Meatrix é um filme instigante, embora incompleto. Mas é muito improvável que alguém não tire ao menos uma lição de seus quatro minutos de duração, e que passe a ver com maior cautela o seu nível de consumo de carne semanal. Nesse aspecto, o filme consegue alcançar o que propõe, e mais uma vez, o audiovisual logra fazer propaganda em grande estilo.


THE MEATRIX (EUA, 2003)
Direção: Louis Fox
Roteiro: Louis Fox e Jonah Sachs


FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.


ASSISTA NA ÍNTEGRA A VERSÃO EM PORTUGUÊS LANÇADA PELA EMPRESA!



Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger