31 de ago de 2011

Fosse o Mundo Meu



por Luiz Santiago


     Um musical cômico-fantástico irregular, com momentos interessantes e envolventes, mas nada maduro ou sólido o bastante para se segurar até o final.

     A pergunta que fica para todos é: "Qual o motivo de tanto exagero?". A cidade inteira ter virado gay, e a trama girar em torno dessa transformação é, no mínimo, pretensiosa, mesmo quando estamos em um mundo de poesia e fantasia. O filme não é poético, mas irradia beleza nas composições dos cenários, figurinos, e sequências oníricas, o que nos insere em um mundo onde (quase) tudo é possível, no entanto, o desfecho inverossímil que aqui temos, até para esse mundo fantástico, é um exagero. 

     Nem a trilha sonora escapa à estranheza - um trecho ou outro agradam, justamente por atender à necessidade cênica ou sentimental do momento, mas isso não é algo que predomina no filme. Ao final da obra, parece-nos que as cosias retomam o rumo, mas já é tarde demais para ajustar os erros. 

     Uma película fraca, meio brega, muito forçada, e com um roteiro bem ruim, sem muita necessidade de quociente de inteligência para entendê-lo... Falta muita coisa em "Fosse o mundo meu".


FOSSE O MUNDO MEU (Where the World Mine, EUA, 2008)
Direção: Tom Gustafson
Elenco: Tanner Cohen, Wendy Robie, Judy McLane, Zelda Williams, Jill Larssn, Ricky Goldman, Nathaniel David Becker, Christian Stolte, David Darlow, Parker Crof.



FILME INSATISFATÓRIO. SOMENTE PARA FÃS INCONDICIONAIS DO GÊNERO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger