13 de jul de 2011

Harry Potter e o Cálice de Fogo (2005)


por Luiz Santiago


     Podemos dizer que a ação – como a conhecemos do gênero cinematográfico – só acontece de fato na saga Harry Potter a partir do terceiro episódio, O Prisioneiro de Azkaban. As duas obras anteriores são incursões pouco abrangentes – porém, boas – no mundo bruxo, e trazem muitos resquícios da infância das personagens, ou seja, riscos locais apenas, nada de “perigo global” ameaçando ninguém diretamente... A partir do terceiro ano em Hogwarts, no entanto, as forças das trevas começam a se erguer, e foi aí que tanto a franquia Harry Potter quanto o número de fãs cresceram vertiginosamente.

     O Cálice de Fogo é o quarto filme da série, e apresenta-se como um dos menos piores (embora definir isso nessa franquia seja algo bem complicado, dada a relação que cada espectador tem com o filme ou o livro, logo, falamos de algo puramente subjetivo...), em diversos aspectos. O primeiro e principal deles é a grandiosa reviravolta ocorrida no próprio livro (o maior dos quatro, até então), que traz aos leitores e futuros espectadores toda uma organização burocrática da magia, apenas sugerida anteriormente; e também o grande acontecimento da história, que é o retorno de Lord Voldemort. A incrível linha de acontecimentos que cercam o Torneio Tribruxo desde o começo, no ataque dos Comensais da Morte na Copa do Mundo de Quadribol, já indicam o tom de toda a obra, e esse tom é bem capturado por Mike Newell, embora minha tendência fosse a de odiar essa obra pelo viés desportivamente viciado do diretor. Mesmo assim, acabo gostando dela, num cômputo geral.


     Desde o primeiro filme, é inegável o bom uso dos efeitos especiais e visuais na série Harry Potter. Produtos da era da computação gráfica e dos tremendos avanços no uso das tecnologias para fins cinematográficos, os filmes do menino bruxo concentram uma das mais felizes linhas desses efeitos no cinema atual. Em O Cálice de Fogo, eles não se apresentam só como efeito pirotécnico, algo puramente visual, mas integra-se de modo orgânico à história narrada. A chegada das duas escolas a Hogwarts, é também um evento para o filme, porque pela primeira vez traz um número absurdo de figurantes, algo que seria mais comum nos filmes seguintes. Aliás, O Cálice de Fogo já em suas primeiras cenas mostra-nos uma grande aglomeração de pessoas.

     A ameaça ao mundo bruxo é enorme, e infelizmente o filme não nos mostra a contento que tudo diante de nós é um controle das trevas para que haja o seu triunfo no final – uma das falhas da adaptação. Confiar em quem, numa época em que tudo desaba? Essa pergunta assusta mais do que responde a dúvida, mas certamente é o que inquieta os jovens estudantes, principalmente o trio protagonista, que chega a pressentir algo, mas não sabe o quê. Para um espectador mais atento, a repetição de que havia alguém usando a poção Polissuco pode ser um indício válido de que as coisas não são o que parecem, mas certamente essa detalhe escapou (pelo menos em parte) aos que não leram o livro.


     Todas as sequências que abarcam as provas do torneio são muitíssimo bem dirigidas. Gosto especialmente das duas últimas provas, exatamente na ordem em que acontecem: o lago, e depois, o labirinto. O ressurgimento de Voldemort é uma transposição digna de ser aplaudida de pé, tanto pelos ângulos escolhidos no momento da rápida metamorfose, quanto no ritmo e atmosfera de toda a sequência que precede o Priori Incantatem. A fotografia de Roger Pratt segue mais ou menos a mesma iluminação escolhida por ele em A Câmara Secreta. As tomadas internas são muito claras e aconchegantes, enquanto as externas contemplam dias nublados e fechados. A coloração acinzentada da sequência do cemitério é bela e macabra ao mesmo tempo, e essa atmosfera junto à atuação de Ralph Fiennes, basta para coroá-la como uma das melhores de toda a série.

     Por falar em atuação, percebemos nesse filme que os protagonistas cresceram um pouco em presença cênica, embora eu defenda que Daniel Radcliffe só viria atuar de verdade em A Ordem da Fênix, a sua fase mais antipática dentro da série. O elenco de apoio está, como sempre, muito bom, é difícil esses atores britânicos experientes trazerem coisas muito ruins para a tela, e eu sempre destaco Alan Rickman no papel de Severo Snape, e aqui também, a presença maravilhosa de Brendan Gleeson como Alastor Moody. Sobre a participação de Robert Pattinson como Cedrico Diggory, é melhor não comentar...

     O Cálice de Fogo é o início da vida de Voldemort e do perigo à solta. Diferente do filme seguinte, e especialmente do sexto episódio da série, este é um exemplar até que bem parado, embora tenha algumas reviravoltas, e já algo de tragédia, como um prenúncio de todas as mortes e horrores que viriam, aparece ao fim do filme. A guerra bruxa começa, de fato, em O Cálice de Fogo.


HARRY POTTER E O CÁLICE DE FOGO (Harry Potter and the Goblet of Fire, UK, EUA, 2005).
Direção: Mike Newell
Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, David Tennant, Robert Pattinson, Tom Felton, Stanislav Ianevski, Michael Gambon, Maggie Smith, Alan Rickman, Ralph Fiennes.


FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger