25 de jul de 2011

Direito de Amar



por Luiz Santiago


     Não me agrada o cinema fingido de sentimentos, o cinema (falso) moralista, o cinema que mesmo trazendo de outras fontes o seu enredo, subverte-o e dá-lhe um novo e errôneo rumo.

     O cinema de fabricação agradável, limpo, sem crises ético-morais e auto-resolvido é um cinema falso consigo mesmo e com o público. Direito de Amar (2009), adaptação de uma dos melhores livros de Christopher Isherwood (A Single Man, de 1964), é um filme que vai no sentido oposto ao comportamento engessado dos romances homossexuais no cinema atual. O final “comum” a esse tipo de filme está lá, mas ele tem um motivo anterior, não é uma trágica história de cunho gratuitamente pessimista. O estilista Tom Ford estreia na direção com o pé direito, e embora sua primeira obra não seja perfeitamente executada, ela passa longe das pavorosas películas-homo-pipoca a que estamos acostumados.

     A narrativa da história é bem incomum pelos espaços cênicos que ocupa: a maior parte dos acontecimentos não tem um motivo no presente fixo; acontece na mente do protagonista, o professor universitário George (Colin Firth), que vive uma imensa depressão desde a morte acidental do namorado Jim (Matthew Goode), alguns meses antes. O filme abarca o espaço de vinte e quatro horas na vida desse homem só, numa preparação sofridamente ritualística para o seu suicídio. George não consegue ver um futuro feliz longe da pessoa com quem viveu por 16 anos, e resolve dar um basta definitivo nesse sofrimento. O diretor vai espalhando pelo filme momentos que serão entendidos no todo da narrativa, e que sempre voltam, para dar uma sensação de ciclo (não necessariamente) vicioso da conquista, do apaixonar-se, do prazer e do amor. Além disso, somos convidados a partilhar com o protagonista um grande discussão sobre a felicidade, a futilidade do presente e os planos (talvez impossíveis) para o futuro.


     Um dos primeiros tropeços de Tom Ford no filme são os ganchos visuais para dar corpo aos flashbacks, abundante recurso do filme. Os objetos cênicos e alguns sons tornam-se a porta de passagem para o tempo da felicidade de George, mas a integração desses elementos como ponte passado / presente é tão simplória, que ganha ar de mal gosto. A salvação desses metáforas visuais aparecem em três segmentos distintos: a fotografia, a edição e a música, embora algumas ressalvas possam ser feitas em relação a essa última categoria.

     O jogo fotográfico entre o pálido presente de George e o mundo saturado de cor que é o seu passado ou os momentos em que se encanta com algo, trazem para o espectador o estado de espírito irregular do protagonista, e nos diz muito sobre o que lhe é importante ou não. Uma das sequências se destaca pelo diferencial fotográfico: a cena do diálogo na praia entre George e Jim, filmada em preto e branco. Por ser a única memória que ele tem vinda de uma imagem, toda a lembrança é como a representação dela, diferente das outras, muito iluminadas e coloridas, por serem memórias espontâneas, um exagero passional alimentado pela saudade daquele que partiu. O espanhol Eduard Grau soube adequar muito bem as nuances fotográficas a cada momento da obra, principalmente na difícil tarefa de dar a cada período do dia uma tonalidade similar ao estado de espírito da personagem principal. A iluminação das internas noturnas são as mais notáveis, com destaque para a sequência do jantar na casa de Charley e da sequência após o banho de mar.

     Embora possa ser interpretada como virtuosismo desnecessário, a edição de Joan Sobel ajuda na criação dos sentimentos, e só precisaríamos citar as primeiras cenas do filme para exemplificar essa afirmação. O corte “a meio-caminho” do objeto, o uso do zoom como forma dramática e até moral, a câmera lenta, são recursos técnicos que trazem-nos os sentimentos daquele exato momento, por isso vejo-os como pertinentes ao filme e bem utilizados. A ressalva à bela música de Abel Korzeniowski não está nela como produto e sim na sua colocação fílmica, marcada pelo exagero. Bastavam a fotografia e a edição para nos lembrar constantemente que o protagonista atravessava conflitos internos de primeira ordem, mas o diretor acrescentou a música de maneira displicente até, em alguns momentos, esvaziando um pouco o seu valor sentimental.


     Colin Firth e Julianne Moore são os divinos destaques do elenco. A dupla de atores vivem personagens complexas, culpadas e repletas de mágoas, dois amigos de longa data que sofrem com a solidão, e se amam. As alterações de humor e o belíssimo trabalho de gestos e expressões de Firth, sua entonação vocal, sua amplitude de movimentos, tudo é um deleite dramático, e o ator mereceu não só a indicação ao Oscar na categoria, como também deveria ter lavado o prêmio para casa. Julianne Moore é sempre uma surpresa agradável, sua leveza e naturalidade nos papeis que interpreta fazem-na, sem sombra de dúvida, uma das grandes atrizes estadunidenses em atividade.

     Direito de Amar é um filme sobre o amor à vida, a consciência da morte e sua aceitação. Dos belíssimos figurinos ao desfecho de história, vemos um homem atravessar uma separação trágica e com a qual não consegue lidar. A familiaridade do drama aproxima o espectador do protagonista, e então o prazer cinematográfico é completo no desfecho, embora a felicidade e a vida façam-nos questionar, mais do que sorrir, após a última cena.


DIREITO DE AMAR (A Single Man, USA, 2009)
Direção: Tom Ford
Elenco: Colin Firth, Julianne Moore, Nicholas Hoult, Matthew Goode, Jon Kortajarena, Paulette Lamori, Ryan Simpkins, Ginnifer Goodwin, Teddy Sears, Paul Butler, Aaron Sanders.



FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger