12 de jul de 2011

Código 46 (2003)


por Luiz Santiago


     O grande erro de boa parte dos filmes muito ruins é serem pretensiosos e se acharem bons demais. Esse é o triste e repugnante caso de Código 46.

     Se estivesse em um concurso do tipo “Quem imitar melhor Fahrenheit 451 e conseguir misturá-lo melhor à cartilha hollywoodiana de Ficção Científica ganha um prêmio” certamente esse seria até um bom indicado. A estilização fotográfica nas tomadas internas, nas grandes Metrópoles à noite, e a secura marrom e amarelada das cidades “de fora do sistema” tem o seu valor, mas eles são totalmente nulos quando observamos o todo do filme. Sem contar a famosa “Escola das Ideologias Invertidas” que o filme expõe, criando uma pseudo crítica ao sistema, quando na verdade, o desfecho da obra nos prova exatamente o contrário.

     E por mais que tenham elogiado a dupla Tim Hobbins e Samantha Morton, não senti absolutamente NADA da tal “química” entre eles. E depois, aquela narração-guia desnecessária quebra todo e qualquer tipo de ritmo interno do filme, as coisas nunca se encaixam e a tentativa de plasmar um final lírico saiu pior que encomenda. Mais um lixo que lamento ter perdido meu tempo para vê-lo...

     Em tempo: será que o diretor e o roteirista acharam cult misturar palavras de origem latina (especialmente em espanhol) nos diálogos durante todo o filme? Ninguém da produção ou da equipe técnica percebeu o quão ridícula foi essa escolha? Sem comentários...


CÓDIGO 46 (Code 46, UK, 2003)
Direção: Michael Winterbottom
Elenco: Tim Robbins, Togo Igawa, Nabil Elouahabi, Samantha Morton, Sarah Backhouse, Jonathan Ibbotson, Om Puri, Emil Marwa, Nina Fog, Christophe Simpson, Jeanne Balibar.


FILME INSATISFATÓRIO. APENAS PARA FÃS INCONDICIONAIS DO GÊNERO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger