26 de nov de 2010

Ilha do Medo




por Luiz Santiago:


     Martin Scorsese é um dos cineastas estadunidenses contemporâneos mais respeitados por seu trabalho e estilo de fazer cinema. Tendo criado, ao lado de alguns amigos, a geração dos blockbuster, o realizador, um dos principais filhos da Universidade de Cinema de Nova Iorque, tornou-se uma verdadeira esponja cinematográfica (como Quentin Tarantino seria, anos mais tarde), absorvendo e adaptando de John Ford (e do gênero western, em geral), Alfred Hitchcock e Akira Kurosawa, o seu estilo violento, despojado e diversificado em gêneros, tendo em todas as obras sua marca autoral na direção.

     Depois de ter Robert DeNiro como grande parceiro em oito longas, de Caminhos Perigosos (1973) a Cabo do Medo (1991), Scorsese parece ter “adotado” um outro ator, dessa vez, Leonardo DiCaprio, que trabalhou pela primeira vez com o diretor em Gangues de Nova York (2002), voltando em O Aviador (2004), Os Infiltrados (2006) e no mais recente filme do cineasta, o polêmico Ilha do Medo (2010).


     O longa-metragem, que conta a história de um agente da polícia federal estadunidense que vai investigar a fuga de uma paciente numa ilha para prisioneiros de alta periculosidade (todos com problemas mentais), dividiu a crítica, e ainda semeia discussões sobre a qualidade artística, técnica e do produto como um todo, alguns até classificando a obra como um “filme menor” do diretor.

     Da última vez que Scorsese visitou o puro suspense psicológico foi em Cabo do Medo, um brilhante remake de Cape Fear (J. Lee Thompson, 1962), com música de Bernard Hermmann (do original) que explode e amedronta desde a abertura. A montagem da colaboradora de longa data de Scorsese, Thelma Schoomaker, é tão instigante e aflitiva quanto o suspense criado em torno da magistral interpretação de Robert De Niro no papel de um psicopata que tenta vingar-se de seu advogado, após passar 14 anos na prisão. De Cabo do Medo à Ilha do Medo, Scorsese deixou de lado a audácia experimental do início da década 90, e procurou aprimorar suas características autorais: planos curtos, cuidadoso enquadramento, opção pelo não ou menor uso de efeitos especiais, pontualíssimo e narrativo uso da música, mão forte na direção de atores, diálogo com a cinematografia clássica, com a arte, e opção pelos finais subjetivos.

     Em Ilha do Medo, o que emperra a trama é o tempo. Quinze minutos a menos de filme faria com que a arrastada história se tornasse mais apreciável, interessante, súbita, por assim dizer. Entende-se que a adaptação do livro de Dennis Lehane tenha ajudado muito nessa mostra quase didática dos espaços da ilha, da interminável tempestade, e das muitas alucinações e flashbacks. Mas algumas dessas narrativas nada acrescentam à trama, apenas criam uma realidade que só a longo prazo o espectador entenderá, ou seja, Scorsese sentiu o infantil medo de não ser entendido, e acabou dando motivos demais, quando metade deles bastaria para plasmar a perturbação do protagonista que DiCaprio interpreta com relativa competência.


     Mas vejam: os tempos internos e externos não inibem a bela construção do espaço cênico e não impedem que o filme funcione. Ao contrário. Se como produto fechado esse escoar compassado dos acontecimentos na ilha é incômodo ao espectador, no que se refere à própria trama ele ajuda a configurar a atmosfera do medo. Na ilha, não epenas o “suspense aparente”, aquilo que é dito, chama a atenção. Narrativas paralelas se constroem em pleno desenrolar dos acontecimentos principais e ganham aos poucos lugar na trama central. A linha do “nada é o que parece ser” é seguida à risca na adaptação, e o roteiro prende-nos do início ao fim da projeção.

     Os flahsbacks e as alucinações do protagonista são de uma beleza grotesca e inquietante. Mais uma vez o nazismo volta à baila no cinema, agora como sequela psicológica de um ex-combatente americano. A essas memórias do Campo de Dachau, as aparições da esposa morta e as histórias contadas paralelamente a esses focos dão-nos a gradual revelação do mistério que se constrói. No suspense, Scorsese caminha com segurança e genialidade. Apensar de cerebral (como O escritor fantasma de Roman Polanski), o suspense não é verborrágico, não cansa pelo conteúdo, mas, como já dissemos, pelo tempo.

     A menos alucinada montagem de Thelma Schoonmaker deu espaço para uma narrativa musical que acompanha a dúvida que nos impõe a ilha: “o que é real aqui?”. De um quarteto para piano e cordas de Mahler à Music for Marcel Duchamp de John Cage, vemos desfilar paisagens e cenas de ação com ambientações quase barrocas de campos de concentração, uma casa onde chove cinzas, etc. Aliás, essa gama de elementos presentes no filme, demonstra o abraço de Scorsese aos gêneros e motivos cinematográficos mais diversos: o detetive numa trama meio noir, o filme B, o terror psicológico, e o próprio Scorsese, se aproximarmos imageticamente o carro de Taxi Driver que sai da névoa ao barco que também sai da névoa, no início do filme.


     O desfecho aberto e nada moralista certamente desagradou aos que prezam histórias muitíssimo explicadas e uma lição de moral cristã. O que temos na cena final de Ilha do Medo? A perdição do protagonista em si mesmo, prisioneiro em seu labirinto de memórias e dor ou um “suicídio terceirizado”? Lançada a subjetividade, cai o pano.

     Com um elenco de peso e destaque para Ben Kingsley, Emily Mortmer e Leonardo Di Caprio, o filme fixa sua maravilhosa apresentação. Mark Ruffalo está apagado demais entre tantos gigantes do cinema (Max von Sydow, por xemplo – aqui, muito mal aproveitado) e estrelismo, mas não chega a avacalhar. O elenco de apoio dá o recado com grandes performances, e consegue equilibrar as faltas do elenco principal.

     Com uma direção de arte notável e boa fotografia (analisando o todo; porque há momentos decepcionantes), Ilha do Medo se sustenta sem muito esforço da crítica para clamar o passado de Scorsese. Não se trata de um filme maravilhosamente genial, por motivos que já comentamos, mas está longe de ser um “filme menor” ou um “filme fraco”. A sugestão para os que não viram a mão de Scorsese agir sobre o filme, é que o veja novamente. Ilha do Medo promete o que cumpre, embora todos nós esperássemos mais, vindo da fonte que veio.


ILHA DO MEDO (Shutter Island, EUA, 2010).
Direção: Martin Scorsese.
Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Max von Sydow, Michelle Williams, Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley, Ted Levine.


FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.



Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger