11 de out de 2010

Distúrbio



por Luiz Santiago


     Todo e qualquer tipo de segregação ou agressão é desprezível e infame. Se atentarmos para as muitas ocorrências nesse campo, veremos que em grandiosa parte das vezes, a covardia é o elemento sustentador das ações, pois sempre dirigem-se a alguém indefeso ou impossibilitado, por algum motivo psicológico ou físico, de revidar. Vale lembrar que a violência, via de regra, é realizada em grupo.

     A preocupação com relação ao bullying, ou segregação moral, física e social, é uma das grandes discussões de nossa década, e o antro mais fecundo (embora não seja o único) dessas ações violentas, são as escolas, porque reúnem diversos grupos morais, e oferecem, por sua constituição, um ambiente perfeito para a prática: plateia, seguidores e vítimas. Sim, porque quem executa atos de violência de qualquer tipo, o faz para destacar-se, e precisa de um séquito para aplaudir suas atitudes e venerá-lo.


     Um outro lado também pode ser considerado: não seriam os “valentões” vítimas de agressão em algum lugar – do passado ou presente –, e, tendo uma personalidade vingativa e neurótica/psicótica, querem impingir o mesmo sofrimento que lhes são ou foram causados, em outra pessoa tão indefesa quanto eles? Concordamos que isso não é nem de perto uma justificativa, mas como críticos, é nosso dever esquadrinhar o máximo de possibilidades que se nos apresentam.

     Uma pergunta raramente feita sobre o tema tornou-se o motivo do do roteiro de Stephen Prentice em Distúrbio (2009): e se as vítimas de bullying pudessem se vingar?

     A corrupção moral e sua relatividade entre perdedores e dominadores, tal como propôs Nietzsche, vem embalar a juventude dionisíaca que vemos neste filme dirigido por Jon Wright. A palavra da vez é “diversão”, e tudo o que for possível fazer para levar o que se entende por “diversão”, a cabo, será feito. No decorrer do filme, quando defrontados com a responsabilidade de sua ação livre (conhecida condenação sartreana), os jovens optarão pela mentira e pelo assassinato para livrar-se do mal presente: em nenhum momento as regras morais sugeridas pelo Contrato Social afloram. Um exemplo semelhante podemos ver em Cama de Gato (Alexandre Stockler, 2002).


     Mas em Distúrbio, a questão crítica é minimizada pelo gênero do filme, que precisa de toda uma cartilha técnica para “dar certo”.

     A história se passa com um grupo de estudantes de uma escola no Reino Unido. O modo narrativo não se difere em nada do “terror subjetivo” a que estamos acostumados, principalmente para quem conhece obras do gênero produzidas no Oriente – embora estas sejam muitíssimo superiores a esse Trash Movie que é Distúrbio.

     Um jovem chamado Darren Mullet suicida-se (em tempo elíptico), e o início do filme, após duas criativas transposições temporais que só entendemos ao final da fita, é justamente o velório do jovem aluno. Com o tempo, descobrimos que Darren não era nada popular entre os colegas, e que era vítima de bullying, sendo o suicídio, a sua forma de de escapar da vida infernal a que era submetido. A autoridade escolar, os pais, e até mesmo os professores mostram-se ineficientes, e o aluno fica à mercê de um grupo de jovens sem limites.

     Mas Darren Mullet não morre, de fato. Na noite do dia em que foi enterrado, o vil grupo que o atormentava dá uma festa de comemoração (observem as características típicas do Terror Trash), e é aí que o vingativo espírito passa a agir. Inicialmente, o Darren-além-túmulo começa a enviar mensagens macabras para os celulares dos seus antigos algozes. Depois, a vingança se dá em larga escala, e a eliminação é concluída em pouco tempo, não poupando ninguém.
Embora trabalhe com certa responsabilidade a temática da violência moral e física contra alunos “diferentes” (Darren Mullet é obeso), o filme segue a trilha do asco em detrimento da reflexão. Não que Distúrbio devesse ser um filme teórico sobre o tema ou um terror cerebral, etc. Mas a desmedida vingança da ex-vítima acaba por tirar a força da opção de denúncia sobre o bullying, levantando a problemática da pergunta: e se uma vítima dessas agressões pudesse vingar-se?

     O elenco é terrivelmente ruim e mal dirigido, bem como a maior parte do filme, sendo apenas algumas sequências salvas da danação medonha que se apodera da película após o sangue começar a correr. Vale dizer que as atrizes April Pearson e Larissa Wilson fazem um trabalho notável na série Skins (2007 - presente), o que de certa forma impressiona a queda de qualidade do trabalho de ambas.


     O ambiente gótico (inclusive com uma tribo totalmente injustificada no contexto do filme) é ressaltado pela fotografia escura, e adequado ao rock que pontua toda a obra. Mas o próprio roteiro é constituído de características desse tipo, o que não espanta o caminho macabro e muitas vezes caricato que é trilhado. Algo interessante é vermos que mesmo em todo rio de sangue e mortes à la (pasme!) Re-Animator (1985), ainda temos um desvirtuamento moral ao fim da obra, quando o Darren-espírito parte para cima do casal bonitinho de protagonistas.


Duas coisas ressaltamos desse epílogo: a prejudicial simpatia que o especador nutre pelo romance cinematográfico, aqui, fator primordial para a condenação da ex-vítima, e o uso desse fato para o gancho da cena final, em uma saída fácil (já aludida em cena pregressa). Há uma ambiguidade moral enorme ao fim de Distúrbio, e numa tentativa de dar força psicológica à trama através do humor negro, há uma pequena cena final do treinador do time da escola encontrando-se com o Darren-espírito. Se as coisas não funcionaram nada bem durante 88 minutos de projeção, esta pequena cena é algo que nem merece ser comentado.



DISTÚRBIO (Tormented, UK, 2009).
Direção: Jon Wright.
Elenco: Alex Pettyfer, April Pearson, Dimitri Leonidas, Calvin Dean, Tuppence Midleton, Georgia King, Larissa Wilson, James Floyd.


FILME INSATISFATÓRIO. APENAS PARA FÃS INCONDICIONAIS DO GÊNERO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger