19 de ago de 2010

Os Mercenários


OU 

STALLONE E CIA.


por Adriano Oliveira

Coordenador do site Cine Revista e Crítico de cinema (ACCIRS)



   "Os Mercenários" estreou timidamente no Brasil, talvez minado pela anti-propaganda que infligiu a si próprio. As declarações infelizes de seu diretor e protagonista, Sylvester Stallone, a respeito do Brasil - onde gravou boa parte de seu longa - parecem ter contribuído para que a obra fosse lançada em um reduzido número de cópias (em Porto Alegre, apenas quatro, sendo uma dublada), a despeito do blockbuster que pretende ser.

    Também "Os Mercenários", o filme, não se ajuda. Um dos problemas dele é justamente o excesso de caras conhecidas em cena, e nenhuma delas com um significativo frescor de novidade. Stallone juntou seus amigos e confrades de estilo para criar algo que se encontra mais próximo dos "filmes de figuração" do passado, onde juntar o máximo de nomes apregoados do público era muitas vezes receita de sucesso (vide "Inferno na Torre" , a série "Aeroporto" e mais recentemente os longas da turma de astros de "Onze Homens e Um Segredo" e suas continuações), do que um representativo exemplar de ação. Todos dão o ar da graça, mas pouco contribuem para manter o interesse na trama além da participação em si, como se somente dar as caras fosse suficiente: roteiro e atuações foram colocados em segundo, terceiro, quarto... ad infinitum planos. O mais incrível é que o soldado da fortuna travestido de psicopata (e vice-versa) interpretado por Dolph Lundgren e o vilão inescrupuloso vivido por um envelhecido Eric Roberts são os que convencem melhor, apoiados muito mais pelo physique du rôle que possuem do que por qualquer outro talento. E torna-se decepcionante observar Mickey Rourke sem empunhar uma arma ou sair no braço e pior, com "lampejos" do caricatural personagem que representou no igualmente desapontador "Homem de Ferro 2" .



    O filme já nasce datado, com cara e DNA de action-movie dos anos 80, e parece querer achar sua razão quase somente disso, sem injetar algum elemento novo. Na contracorrente disso, basta lembrar que dois exemplares recentes de ação à moda oitentista acharam seu nicho justamente por se renovarem: "Busca Implacável" mostrava um Liam Neeson - cara nova no terreno - encarnando o espírito dos personagens de Charles Bronson e "Rambo IV" , dirigido pelo próprio Stallone, se reinventou no uso da ultraviolência (que em "Os Mercenários" apenas soa como um déjà-vu). A preguicite andou contaminando outras camadas do filme. Ao ambientar noturnamente a sequência final (curiosamente, a inicial também é assim), o longa dá margem para cobrir seus próprios defeitos cinematográficos em coreografia de lutas, montagem (péssima!) e direção de arte.

    Para tentar salvar a pátria, há alguma ação de qualidade visível, uns poucos bons planos, como aquele do tiroteio de ponta-cabeça que o diretor/ator orquestra, e uma cena realmente memorável que é a melhor coisa do filme. Esta se passa no interior de uma igreja, confrontando Stallone, Bruce Willis e Arnold Schwarzenegger, onde o limite entre a ficção e realidade envolvendo os personagens e seus intérpretes é ultrapassado diversas vezes, com isso gerando piadas praticamente a cada frase proferida por eles.




    Mas isso se mostra reduzido para a ambição do longa, que ao extremo da projeção acaba capengando na própria falta de educação que Sly imprimiu aos créditos últimos. Não fosse uma citação obrigatória à unidade brasileira de produção, um espectador estrangeiro nem saberia que um bocado do filme foi gravado no Brasil; entanto o pior é que na lista de agradecimentos não há um sequer a qualquer coisa que lembre nosso país, nem mesmo a Mangaratiba (RJ), principal locação do longa, local onde o ator almeja uma estátua. Ainda que devamos separar a pessoa do artista - e isso sempre é preciso -, fica aqui algo que jamais poderia ocorrer: o mesmo tipo de ranço causado pela resposta de Charles Bronson ao ser entrevistado por uma emissora de TV brasileira na década de 90: - "Brazil? What is Brazil?".


Artigo originalmente publicado no Cine Revista.



OS MERCENÁRIOS (The Expendables, EUA, 2010)
Direção: Sylvester Stallone.
Elenco principal: Sylvester Stallone, Jet Li, Jason Statham, Giselle Itié, Dolph Lundgren, Eric Roberts, Charisma Carpenter, Randy Couture, Terry Crews, Steve Austin, David Zayas. 


FILME REGULAR. ASSISTA SE TIVER TEMPO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger