18 de jun de 2011

Qualquer Gato Vira-lata


por Luiz Santiago


     Qualquer Gato Vira-lata (2011) é a segunda peça teatral de Juca de Oliveira adaptada para o cinema. A primeira, Caixa Dois (2007), foi uma fraca comédia de cunho social dirigida por Bruno Barreto, que não conseguiu muita coisa. Desta vez, a nova peça ganha tratamento jovem e a história de um romance chega ao ponto máximo das repetições cinematográficas e motivos estéticos passáveis, apenas aliviados pela simpatia do elenco e pela espirituosa veia cômica encabeçada por Álamo Facó.

     Na mesma linha de Hitch, o Conselheiro Amoroso (2005) e Ele Não Está Tão A Fim De Você (2009), o filme brasileiro traz a história do namoro fracassado pela canalhice de um “pegador” e pela impertinência de uma namorada (a estonteante Cléo Pires), que de sobra, não possui um grama de autoestima. Então aparece um professor de biologia com uma tese sobre o comportamento do animal macho, aliando esse comportamento como uma forma de entender (?) o modus operandi de sedução masculina e as escorregadas do sexo feminino. Eis o espaço aberto para as dicas sobre conquista/reconquista, abandono, desencontros amorosos e a obviedade do happy ending. Acrescenta-se ainda o cunho estranhamente machista que pontua a obra.

     Mas apesar de ser um amontoado de tudo o que já se viu em comédias românticas, o filme de Daniela De Carlo e Tomas Portella chega a agradar, porque toca no ponto mais firme dos relacionamentos, e o drama romântico e cômico daí surgido não deixa o espectador passar incólume – principalmente pela “decupagem do exagero” empreendida pelos diretores, numa forma interessante de repetir sem mostrar que repetiu.


     Um dos pontos a se elogiar no filme é a sua duração acertada. Embora a edição não seja algo de destaque, o filme traz uma agradável leveza e vivacidade que acaba por fazer os 95 minutos de projeção passarem rápido. A trilha sonora, no entanto, é algo mal aproveitado, e o erro reside na colocação das músicas, não na escolha. A cartilha novelística guia o restante da película, que a despeito de sua mesmice, não se permite ser odiada, dando para o espectador vários elementos que lhe permitam lembrar do filme com o mínimo de boas opiniões.

     Não há por quê se estender mais. Qualquer Gato Vira-lata é um reflexo do pensamento atual sobre relacionamentos amorosos e uma junção de tudo o que já se produziu no cinema do gênero. É possível rir e divertir-se. Mas a qualidade do produto não é lá essas coisas. Se tiver tempo, assista.


QUALQUER GATO VIRA-LATA (Brasil, 2011)
Direção: Daniela De Carlo e Tomas Portella
Elenco: Cléo Pires, Malvino Salvador, Dudu Azevedo, Álamo Facó, Rita Guedes, Jean Pierre Noher, Kiko Mascarenhas, Gillray Coutinho, Veronica Debom.


FILME REGULAR. ASSISTA SE TIVER TEMPO.



Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger