16 de ago de 2010

De Repente, Califórnia




por Luiz Santiago


   O filme de Jonah Markowitz, Shelter (2007), é daquelas obras cinematográficas que se equilibram na tênue linha que separa a mediocridade arredia de alguns dramas românticos, dos filmes comerciais que trazem suspiros artísticos, e não apenas adormecem o espectador com surf music, casal protagonista bonitinho e cenas injustificáveis de nudez ou um dicionário de palavrões, num roteiro sem pé nem cabeça, e final pré-definido.


   Para um filme de baixo orçamento, com um elenco composto por atores medianos, e uma história de dois garotos que se apaixonam, Shelter consegue até ser notável, “não-provinciano”, porque se bifurca em temas que não necessariamente estão ligados ao objeto de desejo dos protagonistas, o que faz o espectador pensar um pouco, e só por isso, já merece aplausos.

   Penso que o cinema, independente da forma ou conteúdo da produção, do gênero ou dos atores, da direção ou equipe técnica, deve manter o seu posto de arte. Arte é a criadora transposição (também sublimação) de sentimentos ou percepções variadas para um ‘formato X’, que observado por um espectador, deve causar impacto, e gerar o máximo de reflexão possível – mesmo que se use de tal reflexão para criticar a obra. Em Shelter, é possível encontrar elementos que nos permite afirmar estarmos diante de uma obra artística, mesmo que sua intensidade seja pequena. O filme escrito e dirigido por Markowitz foge dos romances correntes, abandona os clichês mais comuns, a fórmula “conquista-perde-reconquista”, e tanto no campo visual quanto na narrativa, reserva algumas surpresas.


   O longa conta a história de Zach, jovem artista que trabalha em um restaurante e deseja entrar para o Instituto de Artes da Califórnia (a CalArts). O irmão de seu melhor amigo chega à cidade para passar um período de tempo, e os dois jovens conversam sobre o passado, surfam juntos, bebem, e acabam por se apaixonar, mas Zach não consegue lidar com as confusões internas, agravadas pelo seu extremo compromisso com a família e pela cobrança social em relação a uma namorada.

   Algumas tramas paralelas circulam a principal: a relação de Zach e a ex-namorada Tori, a questão financeira que obriga a família a fazer rodízio de empregos para poder viver, o desapego da irmã de Zach em relação ao filho Cody e a responsabilidade paterna que o jovem acaba assumindo em relação ao sobrinho, o preconceito e a relutante quase-aceitação da irmã em relação à homossexualidade do irmão, e, como não podia deixar de ser, a “barriga do roteiro”, que é a questão do pai de Zach e Jeanne, muitíssimo mal trabalhada, não acrescentando nada de novo à trama. Fora isso, a relação dos amigos de duas classes sociais distintas, a arte, e o romance gay – ou seja, nada que já não tenhamos visto, só que trabalhado de forma diferente – ganham um novo fôlego, e elevam a história acima da linha da normalidade, posta na tela com sutileza e bom gosto.

   Ao passo que a relação entre os protagonistas se edifica – não sem percalços – a família: Zach, Jeanne e Cody se destrói. A mais sólida visão de uma instituição familiar que temos no filme é descrita pela fórmula papai-papai-filhinho (Shaun, Zach e Cody), o extremo impensável de uma família nuclear básica, instituída desde que o homem se tornou sedentário. Markowitz, neste ponto, reconhece a não-eternidade dos relacionamentos, afirmando em certo momento do filme que “ninguém pertence a ninguém para sempre”, e acaba por retirar da escala da intimidade a junção dos dois jovens, fecundando mais a amizade e o respeito, do que aludindo a um casamento gay com direito a adoção de um garotinho. A quebra da estrutura familiar clássica para uma versão completamente diversa não é algo novo no cinema, mas do modo anti-casamento (percebam a verdadeira quebra de estrutura) como está posto aqui, é sim, algo novo.


   A direção de Markowitz não inventa a roda cinematográfica, é uma simples exposição de fatos, com câmera na mão em alguns momentos, planos e ângulos vez ou outra impressionantes, mise-en-scène que às vezes tropeça na ocupação espacial, mas que ganha muitos pontos em junção com a direção de arte e fotografia, gerando uma aura (sub)urbana que se opõe à corrente e exaustiva criminalidade, gangues, rap e black music, roubos, tráfico, etc.

   O roteiro é uma boa surpresa de relativo equilíbrio: é sensível e agressivo, não tem reviravoltas mágicas, nem saturação de personagens, tanto em número quanto em persona dramática. A música é de caráter rítmico em relação às imagens, uma bela aplicação de acompanhamento, mas pouco fecunda. A edição é uma boa surpresa narrativa, e chega a ter momentos de grande força fílmica e beleza, especialmente em algumas transições.

   Shelter é um produto fílmico que entretém e encanta pela beleza de sua composição. Trabalha com um novo elemento familiar sem ressentir-se ou querer adaptar as “organizações comuns”, e expõe e entrelaça as relações de trabalho e compromisso, renúncia e escolha, respeito e amor. O título em inglês dá uma noção bem clara do ponto para onde tudo converge, e qual é o sentido do filme – sem comentários sobre o estúpido título em português.


   Se havia alguma dúvida sobre os novos rumos das relações e organizações familiares em nosso século, que os conservadores coloquem suas barbas de molho: o cinema já consegue trabalhar a inversão sexual (Freud) de um modo próprio, novo, e que se supera se comparado às muitas ralações estabelecidas e carimbadas pelo aval de “normalidade” de nossa sociedade que definha, mas se recusa a olhar, respeitar ou reconhecer o “diferente”, que de diferente, não tem nada – o que impera em todos os desejos humanos e seus objetos é a vontade de ser feliz e estar bem com aquilo que se reservou para si, busca infinda, segundo o Existencialismo, seja ela para os grupos considerados maioria ou para as chamadas minorias sociais. No fim das contas, um abrigo (amplie essa palavra para todos os sentidos possíveis) é o que se pede, e é isso que paira no ar, após a tela se escurecer depois da última cena de Shelter.


DE REPENTE, CALIFÓRNIA (Shelter, EUA, 2007). 
Direção: Jonah Markowitz. 
Elenco principal: Trevor Wright, Brad Rowe, Tina Holmes, Jackson Wurth, Katie Walder, Matt Bushell, Ross Thomas, Albert Reed, Joy Gohring, Don Margolin. 





FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.



Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger