14 de jul de 2011

Harry Potter e o Enigma do Príncipe (2009)


por Pedro Veblen


     O Enigma do Príncipe pode não ser a revelação da saga Harry Potter, mas certamente é um dos filmes mais densos da série. O diretor David Yates teve aqui o mérito de trazer um livro bastante teórico para as telas de um modo muito satisfatório.

     Embora haja uma infantilização desnecessária e os amores adolescentes tenham minimizado bastante o valor geral do filme (com o foco desportivo de Mike Newell em O Cálice de Fogo), o apuro estético contido nas diversas sequências de magia e a grande jornada de Harry ao lado de Dumbledore (mais sentida no livro do que no filme), fazem dessa obra uma boa e sombria diversão.

     Com a ascensão do Lord das Trevas, a comunidade bruxa procura ao máximo minimizar os efeitos que isso pode causar às suas vidas, mas a agressão dos Comensais da Morte, cada vez mais agindo abertamente, só mostra o quão complexa é a situação do mundo bruxo. Uma comparação com a ascensão de qualquer regime fascista não seria deslocada, e podemos observar essas semelhanças de uma melhor forma se nos atermos ao discurso de Voldemort e seus seguidores, como a primazia pelos bruxos de “sangue-puro”, etc. Tanto na obra literária quanto no cinema, O Enigma do Príncipe é uma espécie de ponte para a longa jornada e futura batalha que ocorreria em Hogwarts mais adiante.


     Há um deslocamento das aulas, do funcionamento interno de Hogwarts para algo mais “solto”, e o roteiro do filme, nesse sentido, sofre bastante. Mas a compensação aparece nas “viagens” feitas por Harry, com destaque para a ótima animação feita “com tinta” em relação à penseira (muito diferente da que conhecemos no filme anterior) e em toda a longa sequência de Dumbledore e Harry na busca da Horcrux num rochedo perdido do Mar do Norte. Um dos ótimos momentos visuais no filme é o feitiço lanado por Dumbledore, que afasta os mortos do lago. Na mesma medida, vejo que a morte do diretor de Hogwarts é de deplorável alcance dramático, com uma secura que não convém à cena. Esperava algo bem diferente.

     O final do filme é realmente o seu ponto mais fraco. Apesar de todos esses elementos, O Enigma do Príncipe não é um filme tão odioso quanto pintaram-no alguns fãs. Vale uma boa e tensa sessão de cinema, apesar do ar de romance adolescente contrastando com a realidade trágica em que viviam naquele momento.


HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE (Harry Potter and the Half-Blood Prince, UK, EUA, 2009).
Direção: David Yates
Elenco: Daniel Radcliffe, Michael Gambon, Jim Broadbent, Bonnie Wright, Rupert Grint Emma Watson, Tom Felton, Alan Rickman, Helena Bonham Carter


FILME BOM. RECOMENDAMOS ASSISTIR.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger