17 de jan de 2011

Amarás a Deus Sobre Todas as Coisas (1988)


DECÁLOGO 1
por Luiz Santiago


     Nascido em Varsóvia, em 1941, o diretor polonês Krzysztof Kieslowski é uma das personalidades cinematográficas mais famosas de seu país, ao lado de Andrzej Wajda e Roman Polanski. Formado na Escola de Teatro e Cinema de Lodz, começou a dirigir filmes em 1966, sendo O Bonde, um curioso curta-metragem, a sua estreia. Já no filme seguinte, O Escritório (também de 1966), o diretor trabalharia com um gênero que seria predominante na fase inicial de sua carreira: o documentário. Em seu trabalho de conclusão de curso, Da Cidade de Lodz (1968), a tendência documental permanece, e embora esse filme não seja um documentário, o modo como o diretor aborda a cidade, sua história, e seu funcionamento social, flerta com esse gênero.

     Geralmente marca-se A Cicatriz (1976) como um divisor de águas para a nova abordagem fílmica do diretor, que, embora tenha continuado a fazer documentários, modificou sua visão cinematográfica. Um certo desencanto e uma pendência estrutural para questões éticas se tornaram o sustentáculo de seus filmes de ficção, algo que podemos ver nas principais obras após essa mudança: Amador (1979), Sem Fim (1985) e Sorte Cega (1987).

     O projeto que marcaria a carreira de Kieslowski, e que o tornaria conhecido no Ocidente, foi produzido e realizado para a TV polonesa. A proposta inicial da rede era que cada um dos mandamentos do Antigo Testamento fosse entregue a um cineasta diferente, a fim de dirigirem um episódio com menos de uma hora de duração, contendo uma aplicação atual dos mandamentos bíblicos. Desenvolvendo o roteiro ao lado de Krzysztof Piesiewicz, Kieslowski reclamou para si todo o projeto, dirigindo então os dez filmes que compõem o Decálogo, uma das maiores obras já realizadas para a televisão, e da qual saíram dois longas metragens: Não Matarás e Não Amarás.


     Os Dez Mandamentos dividem-se em três categorias: leis morais, civis e cerimoniais, e em cada uma delas, Deus fazia uma proibição ou uma ordenança ao povo de Israel. Na visão de Kieslowski, ao invés da obediência a essas leis, a sociedade contemporânea se estrutura em sua desobediência, recebendo as punições divinas previstas. É importante observar que o diretor não repetiu os protagonistas em nenhum episódio, embora todos residam no mesmo conjunto habitacional em Varsóvia, e uma personagem figurante muito peculiar e silenciosa apareça em nove dos dez capítulos – seria um anjo, uma representação divina que espera o homem lembrar-se de cumprir as leis de Deus?

     O Decálogo 1 explora o segundo mandamento: “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.”. A imagem condenada no mandamento é representada, nesse episódio, pelos ícones do computador, a grande invenção tecnológica que está diretamente ligada à ciência, a negação de Deus, e geradora de imagens por excelência. O pai de Pawel é um professor universitário que não crê em Deus nem na existência de uma alma, nem em um propósito para a vida. A exatidão, o cálculo, a programação exata dos acontecimentos, a medição da vida é a sua linha de raciocínio. A lógica matemática não compreende a presença de Deus, mas através de seus ícones, os únicos fornecedores da verdade, ganha a admiração cega e subserviente dos cientistas. E eis o descumprimento da segunda parte desse mandamento: “Não te encurvarás a elas nem as servirás”.

     Kieslowski procurou explorar ao máximo a dualidade do amor, da imagem e da adoração ao não-deus. Pawel é certamente o foco do amor central do filme, e em segundo lugar, o criador de ícones, o computador. Temos aqui duas imagens como substituição de Deus, e este só está presente no discurso de Irena, a tia de Pawel, que parece desculpar-se de sua fé ao sobrinho, quando narra a criação religiosa que ela e o irmão tiveram, e o caminho da ciência seguido por ele. A única “manifestação empírica” de Deus no Decálogo 1 encontra-se na cena final, quando, após o silêncio do “falso Deus” (o computador, para quem Krzysztof pergunta o “por quê” de tudo aquilo), vemos a cera derretida de uma vela cair como lágrimas de um ícone no altar. Por fim, a resposta de Deus: muda e simbólica. Para aquele que amou em absoluto uma criança, e que especializou-se em criar ícones, a única coisa que o Divino consegue fazer é ter compaixão.

     A vela que se derrete aproxima-se dramaticamente do derretimento do gelo no lago, e a oposição de temperatura entre ambos dá a entender a presença da vida e da morte – embora todos os elementos sejam inanimados: o gelo, a vela, o ícone. Observe que quanto mais chegamos próximos ao epílogo do episódio, mais imagens vão aparecendo. Como se não bastasse, a abertura e o fechamento do Decálogo 1 é dada a partir da representação da imagem de Pawel na televisão, ou seja, a insistência na reificação da figura do garoto. E por que não adicionar a essa lista o próprio objeto fílmico, o episódio, um filme para TV, a projeção rápida de imagens com significado religioso? Para Kieslowski, a imagem e sua importância divina em nossa sociedade é a inevitável e constante desobediência ao segundo mandamento.


     Sabemos que para cada um dos episódios, Kiselowski empregou um diretor de fotografia diferente. O visual do Decálogo 1 dialoga com o branco acinzentado do inverno na cidade e os interiores sempre com a luz oposta à do exterior. O filme é visualmente frio, e consegue sustentar o ar de descrença total a que o protagonista chega. Para ele, a ciência e Deus falharam. Lembremos que quando a vizinha diz que “o gelo do lago derreteu”, ele afirma diversas vezes que “não, é impossível”, porque havia calculado a espessura do gelo no dia anterior. O que causou o derretimento? Certamente não foi a fogueira acesa na margem. Algum fator externo não explicado em cena contribuiu para que o gelo derretesse, e a tragédia se desse. Kieslowski insere aí um outro ponto importante que perdurará durante todo o Decálogo: a influência e ocorrência do acaso.

     Trabalhando de forma dialética com as imagens, Kieslowski guia as suas personagens rumo ao abismo da descrença. A punição de Deus já prevista para o descumprimento do segundo mandamento faz-se sentir em tremenda dor: “porque eu, o Senhor, teu Deus, sou Deus ciumento, que visito a maldade dos pais nos filhos...”. E é com essa ameaça e desesperança que Kieslowski termina a sua primeira versão dos mandamentos na atualidade. Se há alguma dúvida sobre o que resta, a resposta virá no acontecimento do Decálogo 2, um complemento desse início, posto que pronunciar o nome de Deus é também aludir a uma imagem, por isso mesmo temos o terceiro mandamento: Não pronunciarás o santo nome de Deus em vão.


* Para o Nelson, do Filocinética, que me propôs a escrita do Decálogo.


DECÁLOGO 1 (Dekalog, Jeden, Polônia, 1988).
Direção: Krzysztof Kieslowski
Elenco: Henryk Baranowski, Wojciech Klata, Maja Komorowska, Artur Barcis, Maria Gladwska, Ewa Kania, Aleksandra Kisielewska, Aleksandra Majsiuk, Magdalena Mikolajczak.


FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger