30 de ago de 2011

Tempestade Sobre a Ásia




por Luiz Santiago



     É redundante falarmos de um supremo uso da montagem e do som, quando se trata de um filme dirigido pela pessoa que teorizou a carreira inteira sobre esses elementos do cinema. 

     Todavia, reservo-me o direito de tecer algumas observações sobre esse filme, retomando as teorias já citadas. Tempestade Sobre a Ásia é um dos mais belos, bem musicados e editados filmes do Pudovkin (na minha opinião, "O Desertor" é o clímax no tocante à música, e "A Mãe" no tocante à  montagem e enredo). 

     Aqui, a construção do herói revolucionário é vista como parte de um processo de educação ideológica e cultural. As sequências dos rituais são de uma beleza imagética e de uma precisão antropológica que dão inveja a qualquer documentarista contemporâneo, seja pela fidelidade e poesia com que são retratadas, seja pela sua colocação no enredo fílmico. Além disso, o enredo é potente em sua construção do herói, e mostra não só os louros da vitória, mas a saída da vida humilde e pastoril, a revolta contra um opressor, a reificação da cultura pelos europeus, e a atitude revolucionária do governante fantoche. 

     Pudovkin consegue juntar lirismo e cinema de propaganda, tendências documentais e ficção. Uma obra de poder único. Um filme poderoso.


TEMPESTADE SOBRE A ÁSIA (Potomok Chingis-Khana, URSS, 1928)
Direção: Vsevolod Pudovkin
Elenco: Valéry Inkijinoff, I. Dedintsev, Aleksandr Chistyakov, Victor Tsopi, F. Ivanov, Boris Barnet, Karl Gurniak, I. Inkhizinov, Anel Sudaevich



FILME MUITO BOM. FORTEMENTE RECOMENDADO.

Twitter Delicious Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger